Sign up with your email address to be the first to know about new products, VIP offers, blog features & more.

Atentado em Londres e o silêncio do prefeito muçulmano.

Depois de um dia inteiro e muita pressão da imprensa britânica, o prefeito muçulmano de Londres Sadiq Khan quebrou o silêncio de um dia inteiro e fez um breve pronunciamento a respeito do atendado próximo ao parlamento britânico que deixou até agora 5 mortos e 40 feridos.

O silêncio do prefeito mediante ato tão chocante contra civis inocentes causou muito incomodo na terra da rainha.

No pronunciamento em vídeo, o prefeito se refere ao atentado como “estamos considerando que se trata de um ato terrorista”. Obviamente as palavras radicais, islâmicos, islamistas etc não constaram de sua sucinta declaração.

Eu mesmo, em artigo intitulado “O Prefeito pra-frentex e o desastre do politicamente correto” apontei as suspeitíssimas conexões do então recém-eleito prefeito – dito moderado e coqueluche das rodas esquerdistas – com radicais islamistas. Inclusive Maajid Nawas, ex-islamista radical e hoje ativista que luta contra a radicalização de jovens muçulmanos apontou tais conexões suspeitas no passado recente de Khan e como sua ascensão politica contou com bases eleitorais em mesquitas e comunidades londrinas lideradas por clérigos ativistas do islamismo (pregadores da islamização e submissão do ocidente).

Uma breve ficha do passado de Khan:

  • Nos anos 90, o cunhado de Khan, Makbook Javaid, foi afiliado e porta-voz do grupo terrorista Al Mahajiroun, organização clandestina responsável por pelo menos metade dos atentados terroristas em solo britânico ocorridos nos últimos 20 anos.
  • A Al Mahajiroun era então liderada pregador radical Anjem Choudary, que defende a adoção da lei da Sharia no ocidente e a supremacia global islâmica.
  • Em 2003, Khan aparece em conferência ao lado de Sajeel Abu Ibrahim, membro do Al Mahajiroun.
  • Sajeel Abu Ibrahim comandava e organizava um campo de treinamento terrorista no Paquistão, de onde saiu um dos homens-bomba que protagonizou os atentados de 7/7 de 2005 em Londres.
  • Em 2004, já como membro da Câmara dos Comuns, Khan revelou ser diretor do comitê de questões legais da Muslim Council of Britain (MCB).
  • Como representante do MCB, Khan alegou ao parlamento inglês que o clérigo da irmandade muçulmana Yusuf Al-Qaradawi “não era o extremista que a mídia pintava”. Vale notar que Al-Qaradawi é autor do livro The Lawfull and Prohibited in Islam, em que defende a punição física e espancamento de esposas, bem como a pena de morte para homossexuais. (viu como o prefeito islâmico-pra-frentex é contraditório em suas posições?)
  • Al Qaradawi também emitiu uma “fatwa” pedindo ataques suicidas de homens-bomba contra civis em Israel, o que levou sua entrada no Reino Unido a ser proibida.
  • Khan participou de vários eventos da organização jihadista Cage e inclusive escreveu o prefácio de um de seus reports.
  • A Cage declarou que o garoto propaganda do Estado Islâmico, o militante britânico “Jihadi John”, o assassino cruel que degolou inúmeros infiéis em vídeo, foi um homem maravilhoso.