Sign up with your email address to be the first to know about new products, VIP offers, blog features & more.

Almoço Grátis

Leitores, hoje vamos falar de receber coisas de graça. Quem não gosta de ganhar um bombom do marido ou aquele shorts do time do coração da esposa?

Ganhar um presente quase sempre é uma coisa boa, tanto que temos a expressão “de graça até injeção na testa”. Contudo, muitas vezes esquecemos que para alguém ganhar alguma coisa, outra pessoa deve dá-la. Portanto, é de graça para quem ganha, mas custa para quem entrega.

Temos também outra ótima expressão “não existe almoço grátis”, isto é, ninguém recebe nada verdadeiramente de graça. Quem dá algo aparentemente gratuito, muitas vezes espera ou cobrará de alguma forma algo no futuro.

Lembrei-me dessas duas frases ao ler a página do Senado no Facebook. No meme da página havia um lembrete de diversas normas que suspendem o pagamento de telefone e internet para quem for sair de férias.

Olhando rapidamente, parece ótimo e correto. Se eu vou viajar e não usar os serviços, porque eu tenho que pagar?

Contudo, para uma empresa oferecer serviços de telefonia e internet ela deve sempre manter uma equipe disponível, há um custo fixo que não desaparece quando um cidadão tira férias.

Logo, o natural é que a empresa, sabendo que em determinados meses não receberá nada de pagamento, distribua os custos desses meses não pagos nos outros em que haverá pagamento.

Agora vamos ao mais cruel. O custo do mês não pago por determinado cidadão não será direcionado apenas para essa própria pessoa. O mais comum é a empresa distribuir o custo para todos os clientes, ou seja, inclusive para os que não sairão de casa nas férias. Portanto, no final a conta de todo mundo fica um pouco mais cara para compensar o não pagamento das pessoas que tiram férias.

Quem o leitor imagina que nas férias saía mais de casa, o rico ou o pobre? Quem tem mais chance de ficar em casa? Logo, o direito dos mais ricos em não pagar suas contas em determinado mês será pago pelos mais pobres. Algumas pessoas chamam isso de subsidio cruzado.

Como esse exemplo, temos certeza que há vários outros exemplos de subsidio cruzado no Brasil. Leis que na aparência protegem os cidadãos, notoriamente os mais pobres, mas na realidade os deixa ainda mais pobres. Entretanto, o que aarentemente vem de graça ou como presente muitas vezes é pago por alguém mais pobre

Será que não seria melhor o governo não se meter menos nisso e deixar as pessoas pagarem o real preço pelas coisas que consomem?

Afinal, não existe almoço de graça……

PS: Leitores, os encorajo a escrever nos comentários outros exemplos de falsos almoços de graça.