Sign up with your email address to be the first to know about new products, VIP offers, blog features & more.

Convença-me, Gregório!

By Posted on No tags 0

por Niquilauda R. da Silva

 

Gregório Duvivier, em texto de 28/03 publicado em sua coluna semanal no UOL e na Folha, apontou a necessidade de dialogar e apresentar argumentos, na tentativa de fazer com que as pessoas favoráveis ao impeachment de Dilma mudem de opinião.

Sendo assim, não poderíamos perder a oportunidade de analisar alguns dos melhores argumentos apresentados pelo festejado cronista.

Seguem, em negrito, minhas humildes considerações. O texto original vai em itálico. Antes de perguntarem, as escolhas de negrito e itálico não têm qualquer conotação racial implícita.

Para quem não leu, Gregório apresenta argumentos avassaladores contra o impeachment de Dilma. Vamos conferir!

AVISO: contém ironia.

 

O lado de lá.

 

Em geral tento escrever pra quem não concorda comigo.

Gosto de pensar no leitor de camisa polo e mocassim, batendo panela numa varanda do Leblon.

Peço paciência ao leitor. A parte sobre o impeachment virá a seguir. Primeiro, por algum motivo, Gregório compartilha seus momentos de intimidade, em que pensa em leitores usando somente camisas polo e mocassins. Cada fetiche! Mas não nos cabe julgar. Adiante.

 

Essa semana, no entanto, queria falar com os semelhantes.
Sim, com você mesmo. Você que frequenta o carnaval de rua, você que é de humanas, que nunca sabe que dia do mês é hoje, às vezes não sabe sequer o mês, você que confunde a fórmula de Golgi com o complexo de Bhaskara, (…)

Pausa pra admirar como a turma “de humanas” é descolada e despreocupada com os problemas da vida. Queria ser assim. Infelizmente tenho que lembrar datas porque estou cheio de contas a pagar.

Mais uma pausa para refletir sobre o trocadilho: perceberam que ele trocou, espertamente, “complexo de Golgi” com “fórmula de Bhaskara”? Que perspicaz! Um humor fino, um humor inteligente, um humor pré-universitário!

Pronto, podemos voltar à leitura.

 

“…você que foi às ruas em 2013 pelos 20 centavos, você que mesmo com pressa e sem dinheiro sempre acaba comprando fanzines de poesia na porta do museu (“curte poesia?”), você que não come carne ou tá tentando parar de comer, você que ama o Mujica tanto quanto ama beijos triplos e férias em Moreré: sei bem o que você tá sentindo.

Na sua próxima sessão de beijos triplos, caro leitor, tente se concentrar no ato em si, evite pensar na imagem de Mujica, rindo e puxando um fumo brabo! Não vai ser fácil. Gregório estragou os beijos triplos para sempre!

Acho que depois desse “necessário” introito, podemos finalmente passar ao ponto do texto, Gregório?

 

Também estou tentando entender por que é que as mesmas pessoas que não protestaram contra o aumento de tarifa, contra Belo Monte, contra Eduardo Cunha estão hoje nas ruas pedindo a queda de Dilma.

Não entendi o que uma coisa tem com a outra. Na verdade achei que as pautas fossem separadas. Eu sou novo nesse negócio de protesto, sabe? Não sou ligado à UNE, à CUT, nem a movimento sem-terra ou sindicato. Confesso que não tenho experiência nesse assunto.

Eu era sem-protesto, mas agora não sou mais!

 

Afinal, das centenas de nomes da lista da Odebrecht, nenhum deles é o da presidenta. Por que raios querem derrubar a única pessoa que, até o momento presente, não está sendo investigada?

Ih, falou “Presidenta” o pessoal “do lado de cá” fica meio ressabiado. Mas como ele está falado com o povo “de lá”, melhor tocar a gaita conforme manda o figurino, não é?

Com relação a derrubá-la, veja, Gregório, pelo que eu saiba, o pedido de impeachment diz respeito às pedaladas fiscais, não às delações. Será que é isso, ou estou enganado? Pedalada fiscal é crime de responsabilidade, não é? Achei que só esse motivo serviria…

 

Vale lembrar que do lado de lá tem gente que acha que você ganhou R$ 30 para defender um governo corrupto.

A gente “de cá” sabe que tinha muita gente “de lá” que foi defender um governo corrupto de bom grado, apenas por amor, mas também tinham muitos que estavam ali ganhando seu pãozinho com mortadela e seus trinta reais. A gente, do lado de cá, acha mais fácil entender a cabeça dos que prestam apoio a um governo corrupto por dinheiro, nem tanto a daqueles que apoiam somente por amor. Não sei qual é o seu caso, Gregório. Suponho que seja por amor. Você não participa de projetos bancados com a Lei Rouanet, participa?

 

Tem gente que acha que você quer implantar uma ditadura comunista.

Não são todos, mas tem, né, Gregório?

 

Tem gente que acha que você defende direitos humanos porque gosta de bandido. Não cometa com eles a mesma generalização imbecil que estão cometendo com você.

Legal! Também não gosto de generalizações. Dessa parte eu gostei! Mas espera, Gregório, quando você julga que a turma de cá é composta de pessoas usando “camisa polo e mocassim, batendo panela numa varanda do Leblon”, você está fazendo uma representação justa dos componentes do movimento? Só tinha rico na manifestação? Milhões e milhões de ricos?

 

Porque, você talvez dirá, são fascistas que não toleram a distribuição de renda e as conquistas sociais promovidas pelo PT e por isso aplicam um golpe branco. Será?

Hum… “Talvez dirá”? Meio que disseram umas mil vezes, não é? Veja, na cabeça de boa parte da turma “do seu lado”, Gregório, os governos de esquerda têm licença para serem corruptos, porque, afinal, “estão distribuindo renda, promovendo conquistas sociais, combatendo a desigualdade”. É o velho “rouba, mas faz”, com nova roupagem “social”.

Mas tudo bem, você não disse isso, quem vive dizendo é a turminha que beija à três pensando no Mujica.

 

Milhões de pessoas foram às ruas (dentre elas, aposto, muita gente que você ama) pedindo o impeachment. O Brasil não tem milhões de golpistas. Tem uma centena de dementes que pede intervenção militar? Tem. Mas a imensa maioria só tá mesmo muito mal informada — basta ver a qualidade das revistas semanais.

Aqui está a ideia principal do texto. Gregório basicamente diz: não é que os manifestantes sejam maus, eles só são muito mal informados mesmo, sabe? Afinal, eles só estão lendo as revistas semanais golpistas! Hum… entendo.

Mas, espere um minutinho, eu achei que o autor havia falado que não iria generalizar! Acho que ele esqueceu. Acontece.

Em suma, para o autor, tá todo mundo ali mal informado!

A propósito, quais serão os veículos isentos de imprensa que Gregório costuma ler? Serão aqueles que recebem recursos do governo?

Ora, se nós, do lado de cá, estamos muito mal informados, seria de bom tom que Gregório tivesse apontado as excelentes fontes de conhecimento onde ele se abastece de informações isentas e ancoradas em fatos.

Talvez seja invenção da mídia “golpista” o esquema de corrupção no Governo Lula/Dilma, o financiamento de campanhas com dinheiro desviado de estatais, a prática reiterada de pedaladas fiscais e contabilidade “criativa”.

Nada disso aconteceu, viu? Nós estamos muito mal informados mesmo! É tudo invenção da imprensa.

 

Nessas horas, é preciso fugir do fascismo midiático e resgatar um pouco de empatia e paciência. Empatia para ver no outro um igual, digno de ser convencido.

Legal, Gregório. Valeu a paciência! Minha mente está aberta, quais são os excelentes argumentos que você tem à disposição para me convencer de que o impeachment de Dilma não é o caminho?

 

Paciência para explicar que um impeachment, agora, equivale a botar a raposa pra cuidar do galinheiro.

Hum… Era isso?

A raposa, presumo, é Michel Temer e o PMDB, não é isso?

Mas, Gregório, quem votou em Dilma também votou na “raposa”, não foi?

A “raposa” foi escolhida por Dilma para compor a base do governo. Dilma distribuiu centenas de cargos para a “raposa”. Mesmo que Dilma caia, tomará posse o vice que a turma de lá escolheu.

E digamos que Temer também seja afastado por crimes de responsabilidade e Eduardo Cunha assuma. É esse seu medo?

Nesse caso, Cunha não poderia assumir a Presidência definitivamente. Ele teria que convocar novas eleições para a escolha de um novo Presidente da República. Essas eleições podem ser diretas, se houver vacância nos dois primeiros anos do mandato, ou indiretas, se ocorrer nos dois anos finais.

Veja, isso está na Constituição, mas como você disse que eu posso estar mal informado. Agora fiquei em dúvida…

Outra coisa: nós, do lado de cá, queremos a abertura de impeachment porque entendemos que Dilma praticou crimes de responsabilidade e deve ser julgada por isso. E já que a “raposa” está envolvida até o pescoço, que seja julgada também! Sabe, Gregório, a turma de cá quer que a lei seja respeitada.

Pela sua argumentação, devemos ignorar esses crimes porque a turma do seu lado ajudou a eleger um Vice-Presidente não-confiável? Estamos tentando entender, Gregório. Os fins justificam os meios?

Quando o PMDB era governo, tudo bem! Agora que abandonaram o barco, não servem mais?

 

Por trás de toda camisa polo, bem ali, na altura do cavalinho da Ralph Lauren, também bate um coração — um coração que tem todo o direito de estar insatisfeito.

Que bom moço! Rico também é gente, viu?

E vamos encerrar por aqui mandando um conselho: Gregório, eu sei que esse texto foi escrito para a sua turma, mas na próxima vez em que você for escrever para a turma “de cá”, lembre-se de se munir de argumentos convincentes. A sua turminha é muito apegada a “narrativas”, já a nossa prefere se apegar aos fatos. Fica a dica!